sexta-feira, novembro 6

Visite http://braga.bloco.org/

11/06/2009 05:11:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
A actividade do Bloco em Braga pode ser acompanhada em http://braga.bloco.org/.

segunda-feira, outubro 12

Bloco de Braga convida eleitores de esquerda à reflexão

10/12/2009 02:36:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Analisados os resultados das eleições autárquicas no concelho de Braga, fica claro que uma razoável percentagem de eleitores que têm apoiado o Bloco de Esquerda optou por participar na escolha do presidente da Câmara, votando no PS ou na coligação de direita.

Face a estes dados, João Delgado reconhece a derrota da estratégia de campanha, ao não ter conseguido passar a mensagem “a esquerda vota na esquerda e elege um vereador”. Mas o cabeça de lista do Bloco à Câmara Municipal não deixa de convidar à reflexão todos esses eleitores de esquerda que “com o seu voto para escolher o presidente, contribuíram objectivamente para a continuação da maioria absoluta e prepotente de Mesquita Machado, bem como para a diminuição da influência política do Bloco de Esquerda nos órgãos autárquicos, com a perda de um eleito na Assembleia Municipal e dos eleitos em S. Vicente e S. Lázaro”, resultados que Delgado considera resultarem de um efeito negativo de contaminação do voto para a Câmara.

Para o Bloco de Esquerda, em Braga nestas eleições apenas foram atingidos os objectivos de eleição de um segundo elemento para a Assembleia de Freguesia de Maximinos, e da primeira eleição nas freguesias de Santa Lucrécia de Algeriz e Tenões.

João Delgado considera que “é altura de o partido encetar uma profunda reflexão sobre as causas e consequências destes maus resultados e começar a preparar o futuro”, designadamente ampliando e sedimentando a presença nas freguesias e encontrando novos protagonistas para 2013, data em que necessariamente mudará o titular do poder na Praça do Município, por força da limitação de mandatos.

A candidatura do Bloco de Esquerda

sexta-feira, outubro 9

João Delgado desmente Ricardo Rio sobre privatizações

10/09/2009 03:58:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: , ,
João Delgado voltou a afirmar, desta vez com provas, que Ricardo Rio quer continuar a privatizar as empresas municipais de Braga. O candidato do Bloco socorreu-se do jornal “Povo Livre” de 5 de Janeiro de 2005, no qual o candidato da coligação PSD/CDS defendeu “a manutenção, numa primeira fase, da maioria do capital da AGERE, na posse da autarquia” acrescentando que se podia alienar “capital da AGERE e/ou de outras empresas municipais”.

Para João Delgado fica assim provado “quem tem falta de seriedade política”, numa alusão directa a Ricardo Rio que acusou o candidato do BE de falta de “seriedade” por ter afirmado que, com a direita na Câmara há o risco de haver mais privatizações de empresas municipais”.

O que o artigo do Povo Livre prova, diz João Delgado, é que “no futuro, depois dessa primeira fase, Ricardo Rio pretende privatizar a maioria do capital da AGERE e de outras empresas municipais”. “Trata-se de um programa escondido de privatização do município”, acrescentou Delgado.

O contra-ataque ao candidato da coligação “Juntos por Braga” foi feito durante um jantar em Frossos, que contou também com a presença do líder nacional do BE, Francisco Louçã.

Ainda com Ricardo Rio na mira, João Delgado desmontou a ideia de que a coligação está acima dos partidos, para dizer que “a coligação de direita está em cima dos partidos, de Manuela Ferreira Leite e de Paulo Portas” e que escusavam de vir “com pezinhos de lã, a insinuar que têm apoios à esquerda porque a esquerda vota na esquerda e vai eleger um vereador na Câmara para acabar com as maiorias absolutas”.

Delgado lembrou também que aos poucos Ricardo Rio vai deixando cair a máscara, como já aconteceu com a proposta de parcerias público-privadas para o centro histórico, e mais recentemente ao afirmar ser necessário “pragmatismo em relação aos acessos ao novo Hospital”, o que na prática significa "fazer esses acessos por cima das Sete Fontes, comprometendo assim o Parque Eco-Monumental, e contrariando mesmo o que defende o seu companheiro de partido Firmino Marques, da Junta de S. Victor e associações como a ASPA e a JovemCoop".

O candidato do Bloco de Esquerda, lembrou a evolução dos votos para lembrar que o seu partido é mesmo a terceira força partidária em Braga, questão que foi também sublinhada por Isabel Gonçalves, cabeça de lista à Assembleia de Freguesia de Frossos, onde decorreu o jantar e onde o BE teve a melhor votação do concelho nas Eleições Legislativas, com 16%.

A António Lima, cabeça de lista do Bloco à Assembleia Municipal, e a Francisco Louçã, couberam os ataques à maioria socialista. O primeiro para, usando da ironia, afirmar que concorda com Mesquita Machado quando este diz que está sempre presente, para lembrar que o actual presidente da Câmara esteve “sempre presente quando arruinou as finanças municipais para construir o estádio, ou quando quiseram construir uma estátua ao falecido cónego Melo, ou para vender o sub-solo de Braga aos seus amigos”.

Amigos que Francisco Louçã, chamou pelo nomes ao recordar a condenação por corrupção de Domingos Névoa para afirmar que “a candidatura do BE é um combate frontal a Mesquita Machado, ao seu silêncio, à cumplicidade e ao favorecimento em ralação aos interesses imobiliários que, a partir de Braga criaram um império”.

O líder do Bloco de Esquerda citou Névoa e as declarações que este proferiu em tribunal, quando afirmou que fazia umas «ratices» - que significavam pagamentos aos vereadores das câmaras onde a Braga Parques tinha interesses – para lembrar que “as ratices da Braga Parques começaram em Braga e que “O PS é muro de silêncio à volta da Braga Parques e dos negócios feitos em cidades como Coimbra e Lisboa”.

Por isso, acrescentou Louçã, “enfrentamos Mesquita Machado e o PS por uma questão de decência e queremos derrotar Mesquita machado e este PS da Braga Parques”.

quinta-feira, outubro 8

A esquerda vota na esquerda - lista de apoiantes

10/08/2009 02:05:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
O Bloco de Esquerda divulgou uma lista de apoio à eleição de João Delgado para a vereação da Câmara de Braga, bem como às candidaturas do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia.

Da lista de mais de meia centena de nomes destacam-se figuras da vida pública bracarense como o arqueólogo Sande Lemos, os professores universitários Almerindo Janela Afonso e Ana Gabriela Macedo, a arquitecta Maria Manuel Oliveira, os dinamizadores do ex-semanário Minho, Ademar Santos e Artur Moura, os dirigentes sindicais António da Silva (Comércio e Serviços) e Júlia Vale (SPN – FENPROF), o músico Firmino Neiva, os advogados Armindo Vieira Martins e Senra da Costa, o médico Henrique Botelho, o artista plástico Carlos Corais e a economista Helena Magalhães, entre muitas outras cidadãs e cidadãos empenhados numa alternativa de mudança à esquerda.

João Delgado manifesta-se muito satisfeito com este leque tão variado de apoios e considera que eles são a prova de que a candidatura do Bloco de Esquerda conseguiu “romper com a armadilha do voto útil e atingirá o objectivo de entrar na vereação camarária, acabando com as maiorias absolutas, do PS ou da direita”.

O candidato do BE acredita que os mais de 10 mil bracarenses que nas recentes legislativas contribuíram para a eleição de um deputado à Assembleia da República manterão “a confiança no Bloco e no programa autárquico, não se deixando seduzir por cantos de sereia de quem quer os votos da esquerda para executar políticas de direita”.

Ademar Ferreira dos Santos - professor
Almerindo Janela Afonso - professor universitário UM
Ana Gabriela Macedo – professora universitária UM
António Carlos Coelho – professor
António da Silva – presidente do Sindicato do Comércio (SESMinho)
António Esteves Ferreira - vendedor
António Manuel Correia - médico psiquiatra
António Resende – bancário (aposentado)
António Sarmento - professor
Armindo Vieira Martins - advogado
Artur Moura – jornalista
Benjamim Santos Peixoto – professor
Carlos Corais – artista plástico, Director do Museu Nogueira da Silva
Conceição Nogueira – professora universitária UM
Eduardo Velosa - estudante universitário, activista do AGIR-UM
Ernesto Figueiredo - professor universitário aposentado
Fatiminha - animadora
Fernando Coelho - professor
Fernando Costa – dirigente sindical (SESMinho)
Firmino Neiva – músico
Francisco Sande Lemos - arqueólogo
Helena Magalhães - economista
Henrique Botelho - médico
Herculano Antunes - trabalhador da construção civil
Isaac Pedroso Faria - advogado estagiário
Isabel Braga Simões - professora
Isabel Correia – professora
João Martins Fernandes – operário metalúrgico
João Monteiro – professor
João Nogueira - bancário
João Rodrigues – dirigente sindical (SESMinho)
Jorge Vilela – arquitecto
José Álvaro Braga – engenheiro, activista da ATTAC
José Manuel Sá – assistente social
José Pires de Abreu – funcionário dos CTT
José Sepúlveda – professor
Júlia Vale - professora, dirigente do SPN- FENPROF
Lino Fernandes – empresário
Lourenço Oliveira (Louro) – gerente comercial
Luís Cristóvam – designer
Luís Marado - arqueólogo
Manuel Carlos Rodrigues - advogado estagiário
Maria de Jesus Mota - professora
Maria Elizabeth Jardim – advogada
Maria Isabel Gonçalves - professora
Maria Manuel Oliveira - arquitecta, professora universitária UM
Morais Simões – advogado
Nuno Geraldes - estudante universitário, activista do AGIR-UM
Paula Ildefonso – professora e dirigente sindical do SPN
Pedro Coelho - arquitecto
Pedro Oliveira - professor universitário UM
Renato Célio Silva – professor
Rodolfo Ascenso - jornalista
Rui Apresentação - empresário
Rui Castro – empresário
Senra da Costa – advogado
Sofia Saldanha – radialista
Teresa Mora - professora universitária UM
Victor Esteves - funcionário público
Virgílio Oliveira - técnico sistemas de informação

terça-feira, outubro 6

Bloco protesta à porta do Teatro Circo

10/06/2009 02:47:00 da tarde by BE - Braga · 1 comentários
Etiquetas:
Coligação com Quim Barreiros e Bloco sem Circo leia a notícia do JN
Clique nas imagens para ler as notícias do DM e CM.

Fotos da Braga Degenerada

10/06/2009 11:04:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
O elevado número de fotos recebido impede a publicação neo blog Braga Degenerada, pedimos que aceda à galeria de imagens no Flickr. Agradecemos a todos os bracarenses que colaboraram na denúncia da mentira da exposição promovida pela CMB, escondendo as centenas de prédios e espaços degenerados na cidade.
É preciso mudar, e 11 de Outubro é um bom dia para começar essa mudança, com a eleição de um vereador do Bloco de Esquerda.

"Blog Braga Degenerada denuncia política de Mesquita Machado

Em simultâneo com abertura da exposição “Os Espaços Urbanos Regenerados do Centro Histórico”, o Bloco de Esquerda divulga esta terça-feira uma recolha de imagens alternativa no blog Braga Degenerada (http://bragadegenerada.blogspot.com/).

João Delgado justificou esta iniciativa do BE com o “desmontar da acção de campanha que o PS promove utilizando meios do município, e denunciando o abandono da reabilitação do Centro Histórico e da generalidade dos edifícios antigos da cidade”.

Quando da apresentação da iniciativa do Bloco, João Delgado teceu também críticas à Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, por se ter “deixado envolver numa acção de propaganda eleitoral em plena campanha, violando assim os seus deveres de imparcialidade”.

Esta crítica do candidato do BE à Câmara Municipal de Braga mereceu resposta da directora da Biblioteca, Aida Alves, que utilizou o espaço de comentários do blog Braga Degenerada para afirmar não ter não havido “qualquer "intenção de propaganda eleitoral" prévia neste acto”, justificando que esta exposição se realiza habitualmente em Outubro.
Face a esta posição da direcção da Biblioteca, João Delgado acrescenta à sua crítica que “não pode haver falsas ingenuidades nos responsáveis pelas instituições públicas” e lembra um facto sobejamente conhecido, que é o de “o mês de Outubro ter 31 dias e portanto a exposição poder (e dever) ter a inauguração sido marcada para depois das eleições autárquicas”."

sábado, outubro 3

Reportagem RTP

10/03/2009 01:49:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,

Reportagem TVBRAGA da apresentação do programa

10/03/2009 01:33:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,

quarta-feira, setembro 30

Programa autárquico - Braga: A Cidade aos Cidadãos

9/30/2009 11:01:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Clique nas imagens para ler as notícias da apresentação do programa.
Leia aqui o programa.

terça-feira, setembro 29

Apresentação do programa no Café Vianna

9/29/2009 10:06:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
O Bloco de Esquerda apresenta esta terça-feira o programa autárquico "Braga: A Cidade aos Cidadãos", no Café Vianna - Arcada, a partir das 18h15.
João Delgado e Manuel Sarmento, mandatário e coordenador do programa, participam na iniciativa de campanha bloquista.

segunda-feira, setembro 28

Para onde vai a D. Luís de Castro?

9/28/2009 10:20:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: , , ,


O Bloco de Esquerda denunciou o avançado estado de degradação da encerrada Escola D. Luís de Castro. José Pires de Abreu, candidato à freguesia de Tenões, acompanhou João Delgado, Henrique Barreto Nunes, Manuel Sarmento, Custódio Braga e Pedro Soares na visita às instalações abandonadas pelo governo e pela Câmara.
Clique nas imagens para ler as notícias.

quarta-feira, setembro 23

Mais de 600 pessoas no comício de Braga

9/23/2009 09:51:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:



Grande comício em Braga, ainda bem que não choveu senão não havia lugar para todos na tenda. Notícia e fotos no Esquerda.net

terça-feira, setembro 22

Texto de Henrique Barreto Nunes sobre o Teatro Circo

9/22/2009 10:01:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
O Teatro Circo abriu ao público em 1914, em plena República , devido à iniciativa de alguns bracarenses que procuraram dotar a cidade com uma sala de espectáculos de múltiplas valências.

Graças à qualidade arquitectónica e decorativa do edifício e à cuidada e diversificada programação que desde o início apresentou, rapidamente se afirmou como um espaço cultural de referência no norte do país.

Por outro lado, mesmo no tempo do fascismo o Teatro Circo conseguiu igualmente ser um local expressivo de cidadania, de manifestação do espírito reivindicativo do povo bracarense contra a ditadura.

Sempre que tal era possível, no 5 de Outubro e no 31 de Janeiro comemoravam-se os ideais republicanos, que também serviam para contestar o regime salazarista.

Noutras ocasiões, o Teatro Circo foi palco de grandes comícios e reuniões políticas em que a Oposição se manifestava em prol da Democracia e da Liberdade.

Recordemos algumas datas:

1945, Outubro – primeira reunião do MUD (Movimento de Unidade Democrática) em Braga;
1949, Janeiro – comício de apoio ao General Norton de Matos, candidato à presidência da República;
1958, Maio – o Teatro Circo abre as suas portas para proteger a multidão que pretendia acolher o General Humberto Delgado e que foi vítima de violenta carga policial;
1961, Novembro – sessão de propaganda das listas oposicionistas às eleições para a Assembleia Nacional;
1965, Outubro – comício da lista da Oposição Democrática às eleições para a Assembleia Nacional;
1969, Outubro – sessão de encerramento da campanha da CDE (Comissões Democráticas Eleitorais) bracarense às eleições para a Assembleia Nacional;
1974, Janeiro – democratas de Braga comemoraram o 31 de Janeiro, numa sessão que registou grande afluência popular.

Também há notícias sobre sessões e comícios que foram proibidos pelas autoridades fascistas que, em qualquer circunstância, estavam presentes através da PIDE e de outras “forças de ordem”.

A seguir ao 25 de Abril o Teatro Circo continuou aberto à realização de sessões de propaganda e comícios da maior parte dos partidos políticos, ou das campanhas presidenciais de Freitas do Amaral, Mário Soares, Maria de Lourdes Pintasilgo, Salgado Zenha ou Jorge Sampaio, mesmo após a sua aquisição pela Câmara Municipal em 1989.

A situação começou a inflectir em 2004, quando uma comissão independente e apartidária de cidadãos, que se formou para celebrar condignamente o 25º aniversário do 25 de Abril, se viu impedida de realizar no Teatro Circo um grande espectáculo com José Mário Branco, sob a alegação de que o Teatro iria fechar para se darem início às obras de recuperação, uma data cirurgicamente marcada, mas que não veio a ser cumprida.

BE apresenta queixa à CNE por recusa de aluguer do Salão Nobre do Teatro Circo

9/22/2009 09:59:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Em 8 de Setembro passado foi solicitada à administração do TC “informação sobre disponibilidade e custos do aluguer por uma noite do Salão Nobre do Theatro Circo, para aí ser realizada uma iniciativa pública do Bloco de Esquerda, no âmbito da campanha autárquica”, pedindo-se “compreensão para a necessidade de celeridade na resposta”.

Seis dias depois, recebeu o BE a “célere” resposta, subscrita pelo administrador executivo Rui Madeira, negando o aluguer do espaço, justificando “a natureza específica e objectivos do equipamento” e acrescentando não imaginar “um país com manifestações eleitorais no Teatro Circo, Teatro São João, Casa da Música, Fundação de Serralves, Teatro São Carlos, Teatro D. Maria… “.

Acontece que “a natureza específica e objectivos do equipamento” a que se refere Rui Madeira serviu para se realizar, nos últimos dois anos, na sala principal o Congresso da Ordem dos Engenheiros e no Salão Nobre, por exemplo, uma iniciativa dos Empreiteiros Casais, a apresentação do Braga Digital, a cerimónia de assinatura de protocolos de co-financiamento do Programa Operacional Regional do Norte, a Gala do Vinho Verde e o programa da RTP "Os Grandes Portugueses". As portas do Teatro Circo foram também abertas a Mesquita Machado que assomou à varanda para apresentar ao povo o prolongamento do túnel e os floridos canteiros que em má hora plantou na Avenida (foto).

A propósito desta iniciativa de Mesquita Machado, o blog da Câmara Municipal de Braga reproduz notícias da imprensa local que descrevem o que lá se passou: “Por entre aplausos, vivas a Mesquita Machado, à cidade de Braga, à obra e ao próprio Partido Socialista, a inauguração do prolongamento do túnel da Avenida da Liberdade, transformou-se, num ápice, num comício político, o primeiro grande momento de pré-campanha eleitoral para as próximas autárquicas”; “no momento político mais forte desta inauguração (que mais pareceu um comício eleitoral) Mesquita Machado subiu à varanda do Theatro Circo para dirigir palavras de agradecimento ao povo e, ao mesmo tempo, voltar a lançar críticas à oposição”.

O Bloco de Esquerda não aceita as alegações de Rui Madeira e voltou a solicitar o aluguer do Salão Nobre, agora para o dia 5 de Outubro, para uma sessão de celebração da República, da Democracia e da Liberdade.

Refira-se que na página Web do TC, o Salão Nobre é descrito como “cenário de eventos de pequena a média escala (conferências, debates, pequenos espectáculos, animações, comemorações)”, não se percebendo como, a partir desta definição, se pode pretender excluir uma iniciativa partidária.

O BE apresentou também queixa à Comissão Nacional de Eleições, porque não nos conformamos com a ideia de que a “imaginação” de Rui Madeira, subscrita por Mesquita Machado, feche à política um espaço que sempre a ela esteve aberto, mesmo no tempo da ditadura de Salazar. O Teatro Circo é dos bracarenses.

segunda-feira, setembro 21

Francisco Louçã, Pedro Soares e João Delgado em comício na Avenida Central

9/21/2009 04:18:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários

domingo, setembro 20

João Delgado e H. Barreto Nunes em defesa das Sete Fontes

9/20/2009 02:38:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: , ,

João Delgado apresentou nas Sete Fontes as medidas propostas pelo Bloco de Esquerda para salvaguarda daquele monumento nacional. A construção de um Parque da Cidade nas Sete Fontes está em risco pela forte pressão existente com a construção do novo hospital e dos seus acessos, bem como dos apetites imobiliários que há muito cercam a zona.

Relata o Diário do Minho que "João Delgado defendeu ainda que, em sede de revisão do Plano Director Municipal (PDM) seja impedida a construção de habitações ou de qualquer outro tipo de edificações que não sejam necessárias
para o futuro parque e seria «bom que se soubesse quem são os proprietários dos terrenos circundantes»".

Henrique Barreto Nunes, candidato à Assembleia Municipal e reconhecido defensor do património como dirigente da ASPA, "traçou um resumo sobre a evolução de como as Sete Fontes têm sido tratadas pela Câmara de Braga, acusando, por exemplo, a autarquia de nunca ter alterado o uso construtivo do solo, mesmo depois da classificação do monumento. Na sua intervenção, Barreto Nunes teceu mesmo críticas severas ao projecto para este local que foi apresentado na Feira das Freguesias, deixando, depois a questão: «porque é que ainda não foi definida pela Câmara de Braga e o Ministério da Cultura uma zona especial de protecção das Sete Fontes?»".

Paula Nogueira, candidata à assembleia de Freguesia de S. Victor, também participou na iniciativa, que contou com a presença de António Lima, cabeça de lista à Assembleia Municipal e outros candidatos do Bloco.

Clique nas imagens para ler as notícias no Correio e Diário do Minho.

sexta-feira, setembro 18

Uma campanha (para já) alegre

9/18/2009 12:59:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
João Delgado (publicado na revista SIM)

A campanha em Braga começou desde cedo a ser conduzida pelo PS e pela coligação de direita numa disputa de território (a que se juntou Miguel Brito / MPT), com marcação à zona em cada rotunda e berma de estrada, num despropósito total, particularmente no contexto de crise em que vivemos.

Agora que já todos estes demonstraram o que valem em termos publicitários, é tempo de se começar a discutir o “produto”, ou seja, quais as propostas concretas para a gestão da cidade e do concelho nos próximos quatro anos.
E é nesse terreno, na discussão e debate público das estratégias de desenvolvimento de Braga, de combate a crise e aos seus efeitos, que o Bloco de Esquerda se quer colocar, reduzindo ao mínimo essencial o aparato cénico, que mais não faz do que juntar poluição visual à já sobrecarregada paisagem bracarense.
Importa pois discutir quais são as propostas dos diferentes partidos nas principais áreas de actuação camarária.

O que dizem sobre a política social da CMB? Apenas deve apoiar as IPSS, ou assumir as suas responsabilidades de coordenação?

Quais as obras que propõem para o futuro próximo? Continuar a endividar o município, ou apostar na requalificação e reabilitação urbana, sem ceder aos interesses especulativos dos promotores imobiliários?

Que política cultural? O Theatro Circo como jóia de uma inexistente coroa, ou um trabalho de fundo para a formação de públicos e o apoio aos promotores culturais?

Qual o destino dos serviços públicos (Agere, TUB)? Continuar na senda privatizadora, e como refúgios para reformas douradas, ou colocá-los ao serviço de todos e das políticas públicas?

Como nos movemos em Braga? Continuamos a privilegiar o automóvel, ou apostamos decididamente nos transportes públicos e nos modos suaves de locomoção?

Como resolver o problema dos bairros sociais? Pintar fachadas, ou promover uma intervenção integrada, que olhe não apenas para o edificado mas principalmente para as pessoas?

Como preservar o património histórico e cultural da cidade? Com políticas casuísticas e descoordenadas, ou considerando a memória como geradora de futuro?

E as freguesias rurais? Continuar a expulsar os residentes para instalação dos urbanos sequiosos de um retiro bucólico?

Estas são apenas algumas das questões que colocamos e colocaremos aos bracarenses e aos restantes partidos, porque só da resposta a elas pode existir um voto esclarecido que não siga a “banda a passar”.

quarta-feira, setembro 16

Mesquita e Rio, apologistas do “big brother” em Braga.

9/16/2009 09:42:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
A candidatura autárquica do Bloco de Esquerda considera lamentável a deriva securitária do presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado que, na sequência dos condenáveis actos de vandalismo ocorridos na cidade, afirmou que “se calhar a videovigilância é uma medida que a Câmara terá de tomar muito rapidamente”.

Para o Bloco de Esquerda actos desta natureza aconteceriam mais dificilmente se a desastrosa política urbanística da Câmara de Braga não tivesse conduzido ao despovoamento e à decadência do Centro Histórico da Cidade, de que a Praça do Município é, apenas, um de muitos exemplos. Pois, a experiência ensina-nos que um espaço urbano abandonado é um espaço urbano vulnerável.

A resposta de Mesquita Machado a este acto de vandalismo, que se repetiu em Gualtar, não reflecte mais do que um exercício de puro populismo e de aproveitamento propagandístico dos receios da população, mas de absoluta ineficácia, pois não é com videovigilância que se resolvem os problemas de segurança dos cidadãos.

João Delgado, candidato do BE à Câmara Municipal de Braga, considera que "o entusiasmo manifestado por Ricardo Rio com a proposta de Mesquita Machado, reivindicando mesmo a autoria moral da videovigilância para Braga, é bem revelador de quão semelhantes são as políticas que defendem para a autarquia".

O candidato bloquista acrescentou ser "importante que a actuação das forças de segurança, bem como a sua visibilidade, contribua para um sentimento de segurança por parte dos cidadãos e iniba actos como os que motivaram a despropositada reacção de Mesquita Machado e Ricardo Rio, apologistas do “big brother” em versão autárquica".

O Bloco de Esquerda irá bater-se, quer na Câmara, quer na Assembleia Municipal, por uma organização harmoniosa do espaço urbano, que promova a reocupação habitacional do centro histórico, que restabeleça uma iluminação pública que dê conforto e segurança, que recupere praças, passeios e parques e os devolva ao usufruto dos munícipes.

sexta-feira, setembro 11

João Delgado exorta Palmira Maciel e Mesquita Machado a pedirem desculpas aos alunos da EB1 de Maximinos

9/11/2009 05:16:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
João Delgado visitou hoje a EB1 de Maximinos, escola cujo estado de degradação tem motivado severas críticas da Associação de Pais. Na visita guiada pelo Director do Agrupamento Vertical de Escolas Oeste da Colina, Virgílio Rego da Silva, o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga pôde constatar que todas as dependências da vetusta escola demonstram necessitar de obras há décadas, não tendo as provisórias e superficiais pinturas conseguido disfarçar o estado lastimável de paredes e tectos, sendo que também o revestimento do chão apresenta diversas falhas, e as instalações sanitárias são absolutamente impróprias, particularmente para crianças.

Virgílio Rego reconheceu ser insofismável a necessidade de obras urgentes, confirmando estarem as mesmas agora previstas para as férias de Natal, prosseguindo depois até final do ano lectivo. Esta situação levará a que os alunos tenham de se deslocar a outra escola do Agrupamento para a refeição, havendo simultaneidade de obras e actividades lectivas de Janeiro até ao encerramento das aulas.
No final da visita João Delgado afirmou à comunicação social ser lamentável que esta Câmara “que sabe cumprir prazos com obras supérfluas, apenas para servir a privados e com intuitos eleitoralistas, como foi o caso do túnel da Avenida da Liberdade, seja incapaz de se mostrar minimamente empenhada num caso tão flagrante como o da Escola de Maximinos”. Delgado repudiou igualmente as palavras da vereadora da Educação, Palmira Maciel, que afirmou ter “orgulho no trabalho realizado, nomeadamente no que toca à requalificação do parque escolar”, quando o que deveria, segundo o candidato bloquista, era “pedir desculpas públicas aos pais e às crianças, que por mais um ano vão ver o seu rendimento escolar condicionado pelas péssimas condições que Palmira Maciel e Mesquita Machado lhes proporcionam de modo insensível e petulante”.

Já António Esteves, o independente que encabeça a lista do BE à Assembleia de Freguesia de Maximinos lembrou as responsabilidades de Seco Magalhães, presidente da Junta, que se colocou “ao lado da Câmara e não dos maximinenses em todo este processo”. António Esteves mostrou uma cópia da Acta da Assembleia de Freguesia de Maximinos de 8 de Dezembro de 2006, em que a Junta garantia que até ao final do mês de Julho desse ano “a escola será encerrada, de forma a proceder-se à sua requalificação”, passando “todos estes alunos para a Escola da Naia”, comprovando-se assim que “as promessas de quem não tem palavra de nada servem”.

João Delgado e António Esteves garantiram a alguns pais que esperavam o final da visita que podem contar com o Bloco de Esquerda, ao nível da freguesia e da Câmara, para acompanhar o processo de intervenção na Escola, para que não existam mais adiamentos e que em 2010 “os meninos e as meninas de Maximinos tenham aquilo que merecem, uma escola e um ensino de qualidade”.

quinta-feira, setembro 10

João Delgado congratula-se com deliberações da Câmara de Braga

9/10/2009 02:23:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: , ,
João Delgado congratulou-se com as decisões hoje tomadas pela Câmara Municipal de Braga de doar um terreno ao Banco Alimentar e de expropriar um prédio na Rua dos Chãos, para intervenção urgente.

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Braga recorda que já em finais de Maio passado defendeu ser exigível que a autarquia assegurasse que encontraria a breve prazo uma solução condigna para aquela IPSS. Na ocasião, Delgado considerou que, para além dessa solução logística, absolutamente necessária para os milhares de bracarenses que dependem do Banco Alimentar para a sua subsistência, a autarquia deve também assumir responsabilidades na definição de estratégias de concertação com as IPSS no âmbito da rede social, numa atitude pró-activa essencial no contexto da actual crise.

No quer respeita à expropriação do prédio agora decidida, João Delgado lembra que o Bloco de Esquerda propôs na Assembleia Municipal, em Setembro de 2008, que a Câmara “iniciasse o processo de expropriação dos prédios degradados, cujos proprietários não respondam às notificações para procederem às necessárias obras de reabilitação, atribuindo carácter de urgência aos imóveis cujo estado de degradação coloque em perigo a segurança dos cidadãos”.

Na altura esta proposta foi rejeitada pelo PS, com a abstenção do PSD e CDS, considerando o Bloco de Esquerda que assim estes partidos se podem considerar solidariamente responsáveis por todos os acidentes originados pelo estado de degradação de prédios, pelos danos materiais e por eventuais vítimas, cuja sorte não pode depender da divina providência, mas sim de uma política preventiva decidida.

Para além do prédio em vias de expropriação, Delgado cita informação veiculada em relatório da Divisão de Planeamento da CMB, afirmando que dos cerca de 400 edifícios degradados notificados entre 2001 e 2006 apenas foram emitidas 83 licenças para obras, enquanto 305 proprietários não deram qualquer resposta.

É por isso premente que os serviços municipais competentes efectuem um estudo imediato das situações emergenciais ligadas à deterioração do parque habitacional, com adopção das indispensáveis medidas de protecção, para que não voltem a acontecer derrocadas e muito menos perda de vidas por incúria dos responsáveis autárquicos.

quarta-feira, setembro 9

João Delgado reúne com candidatos às freguesias

9/09/2009 04:29:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
João Delgado encontra-se amanhã com os cabeças de lista do Bloco de Esquerda às Assembleias de Freguesia, para definição das acções de campanha conjuntas a desenvolver nas próximas semanas.

O candidato do BE à Câmara Municipal de Braga recorda que o partido sempre votou favoravelmente a delegação de competências às Juntas de Freguesia, exigindo destas que não funcionem como delegações camarárias, mas que assumam a defesa dos interesses das populações, particularmente daqueles que em tempo de crise atravessam grandes dificuldades.

Para o Bloco os órgãos do poder local não podem abdicar das suas responsabilidades de articulação das políticas sociais com as IPSS, devendo garantir a oferta de serviços públicos de apoio às crianças e aos idosos, através de uma rede municipal de creches e centros de dia que sirvam todo o concelho.

O programa do BE dedica especial atenção às freguesias rurais, defendendo a elaboração de um plano para o desenvolvimento rural das freguesias da zona Nascente, com grandes potencialidades por explorar, aproveitando nomeadamente os fundos comunitários (ex. Provere), tendo em vista a sua proximidade do Bom Jesus e Sameiro, da Citânia de Briteiros (já no concelho de Guimarães) e na Rota dos vinhos verdes (nos concelhos de Póvoa de Lanhoso e Amares) com recurso a programas comunitários de desenvolvimento rural, assentes na produção agrícola, no turismo rural e, em geral, da valorização dos recursos locais.

Também as actividades que se desenvolvem principalmente nas freguesias rurais devem ser apoiadas pela Câmara, através da promoção com regularidade, e na base de um plano adequadamente participado, de feiras de produtos da economia social (comércio justo, agricultura biológica, artesanato tradicional).

terça-feira, setembro 8

João Delgado com os candidatos de Santa Lucrécia de Algeriz

9/08/2009 05:58:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
João Delgado visitou Santa Lucrécia de Algeriz, por ocasião das Festividades de Santa Catarina, na companhia dos candidatos bloquistas à respectiva Assembleia de Freguesia.

Esta primeira candidatura do BE a Santa Lucrécia é liderada por Herculano Antunes, de 40 anos, trabalhador da construção civil, integrando nos lugares efectivos António José Vasconcelos, 32 anos, técnico de electrónica, Carla Isabel Monteiro, 24 anos, estudante universitária, Ângelo Costeira, 28 anos, trabalhador da restauração, Maria Lurdes Reis, 38 anos, desempregada, António Carlos Gonçalves, 24 anos, estudante e Samuel Dinis Silva, 26 anos, operador de máquinas automáticas.

Os candidatos suplentes são sete, entre os 18 e os 30 anos, o que faz desta lista do Bloco a mais jovem de todas as que se candidatam às freguesias de Braga.

Do programa a apresentar pelo Bloco em Santa Lucrécia destacam-se o aproveitamento de espaços existentes e desocupados para a criação de um Centro de Dia e centro de lazer para a realização de eventos culturais. Outras preocupações são o apoio aos reformados e idosos, a recuperação do rio de Algeriz e a reestruturação dos contentores de lixo e ecopontos da freguesia.

A lista de independentes que decidiu candidatar-se com o apoio e compromisso do Bloco de Esquerda promete também lutar contra os preços especulativos de terrenos e habitações, tornando-os mais acessíveis à população local e permitindo fixar os jovens da freguesia.

João Delgado manifestou aos candidatos todo o apoio da concelhia do Bloco de Esquerda, também representada por Custódio Braga, e salientou o empenhamento da lista com as propostas políticas do partido, como o Orçamento Participativo e a prioridade ao apoio aos mais carenciados.

Delgado realçou também Santa Lucrécia como exemplo de um partido aberto ao diálogo com todos quantos consideram as políticas de esquerda determinantes para a resolução dos problemas e das carências das populações das zonas rurais de Braga.

“Está tudo feito? Não, não está...” é o mote da candidatura que pretende transformar a política local em Santa Lucrécia , com o dinamismo e ideias arrojadas e transformadoras de um conjunto de cidadãos e cidadãs que decidiu dizer basta à política do “mais do mesmo”.

segunda-feira, agosto 31

João Delgado em depoimento vídeo ao Esquerda.net

8/31/2009 12:04:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:

domingo, agosto 30

António Lima em depoimento vídeo ao Esquerda.net

8/30/2009 09:14:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:

terça-feira, agosto 18

Candidatos às Assembleias de Freguesia

8/18/2009 02:48:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
O Bloco de Esquerda entregou ontem no Tribunal de Braga as listas de candidatura à Câmara e Assembleia Municipal e a vinte Assembleias de Freguesia, mais sete do que em 2005. Os bloquistas apresentam-se pela primeira vez em Crespos, Ferreiros, Fraião, Frossos, Lomar, Nogueiró e Santa Lucrécia de Algeriz, com cinco candidatos independentes, a que se juntam outros quatro cabeças de lista que também não são filiados no partido.

Os cabeças de lista às freguesias são:
Cividade - Gaspar Silva, carteiro
Crespos - Jorge Maurício de Sousa, empresário (Independente)
Ferreiros - Marco Alexandre Ferreira, mecânico (Independente)
Fraião - Luís Miguel Coelho, project manager
Frossos - Maria Isabel Gonçalves, professora (Independente)
Gualtar - Renato Célio Silva, professor
Lamaçães - Sérgio Marques da Cunha, comerciante
Lomar - Jorge Miguel Vilela, arquitecto (Independente)
Maximinos - António Esteves Ferreira, Vendedor (Independente)
Nogueiró - Eduardo Velosa, estudante universitário
Nogueira - Custódio Braga, professor
Palmeira - José Álvaro Braga, professor (Independente)
Real - Sofia Gonçalves de Carvalho, escultora
Sé - José Diniz Pinto, professor
São João do Souto - José Alfredo Ribeiro, professor
São Lázaro - Rafael Ferreira, estudante do politécnico
São Vicente - José Coimbra, professor (Independente)
São Victor - Paula Nogueira, Técnica da Segurança Social
Santa Lucrécia de Algeriz - Herculano Costa Antunes, trabalhador da construção civil (Independente)
Tenões - José Pires de Abreu, funcionário dos CTT (Independente)

segunda-feira, agosto 17

Bloco de Braga formaliza candidaturas à CM, AM e vinte freguesias

8/17/2009 10:43:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
O Bloco de Braga entregou hoje no Tribunal as candidaturas à Câmara, Assembleia Municipal e vinte Assembleias de Freguesia, mais sete do que em 2005, envolvendo cerca de 250 candidatos.

quinta-feira, agosto 6

João Delgado na "Praça do Município"

8/06/2009 12:01:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Ouça aqui o último debate da "temporada" na Rádio Universitária do Minho.

domingo, agosto 2

Henrique Barreto Nunes - cidadão dos livros, da cultura e do património

8/02/2009 07:49:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
Henrique Barreto Nunes despediu-se da Biblioteca Pública de Braga. Fica a nossa homenagem ao homem dos livros, da cultura, da defesa do património e da intervenção cívica.


DESPEDIDA

Tenho 62 anos. Trabalhei 34 anos e oito meses na Universidade do Minho: um ano e meio nos Serviços de Documentação (então instalados no edifício da Biblioteca Pública), um ano na Unidade de Arqueologia (a funcionar no Museu dos Biscaínhos), 32 na Biblioteca Pública de Braga, de que oficialmente fui director de 2000 até hoje. Em Setembro 2006, num momento dramático, a Reitoria pediu-me para também dirigir, provisoriamente, o Arquivo Distrital de Braga. Fiquei até ao fim.
Estou cansado, já não me sinto com capacidade para ser responsável por estas duas prestigiadas instituições culturais, em tempos difíceis, com falta de meios e recursos humanos, (o Arquivo Distrital é o segundo mais importante do país, mas não possui um único técnico superior de arquivo), quase sem apoios – embora deva deixar aqui expressa a minha estima pessoal pelo Professor A. Guimarães Rodrigues e a minha gratidão ao Professor José Viriato Capela.
Na Universidade do Minho pertenci ao Conselho Cultural, presidido pelo inesquecível Professor Lúcio Craveiro da Silva, desde a sua criação em 1986, sendo seu secretário, coordenador editorial da revista “Forum” e membro da comissão organizadora do Prémio Victor de Sá de História Contemporânea. Fui membro da Comissão Instaladora da Casa Museu de Monção. Pertenci, por eleição, ao Senado Universitário e à Assembleia da Universidade, de que fui secretário da Mesa. Pertenci ao colégio eleitoral que elegeu o seu primeiro Reitor e, devido a circunstâncias especiais, presidi à Assembleia que elegeu o actual. Estive na origem do processo que conduziu ao Salvamento de Bracara Augusta, surgido na U.M. em finais de 1975, e fui um dos artífices (quer se queira, quer não) da adesão da U.M. à Rede de Leitura Pública, que acompanhei apaixonadamente de 1960 até às vésperas da inauguração da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. Colaborei em numerosas iniciativas de Escolas, Institutos, Unidades Culturais, Serviços e da Associação Académica.
Vi partir com saudade Carlos Lloyd Braga e J. Barbosa Romero, Egídio Guimarães, Armindo Cardoso e M. Assunção Vasconcelos, Afonso C. Ferreira e Alice Brito, Francisco Botelho e Hélio O. Alves, Victor de Sá e Santos Simões, Lúcio Craveiro da Silva.
Sinto uma imensa tristeza por deixar a Biblioteca Pública de Braga, os meus amigos-companheiros de trabalho, os seus leitores, os livros, a acção cultural que faz parte da minha respiração, da minha vida.
Ainda tinha tanto que fazer…

Braga, Biblioteca Pública, 31 de Julho de 2009

Henrique Barreto Nunes

Eleitoralismo galopante

8/02/2009 04:27:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
Eleitoralismo galopante é o mínimo que se pode dizer das últimas medidas anunciadas pela Câmara Municipal de Braga, de que é exemplo a declarada construção em ritmo acelerado do Parque das Camélias.

Mais uma vez a autarquia opta por intervenções estruturantes sem antes permitir a discussão pública, intervindo na cidade como se esta fosse um couto particular, e não uma comunidade viva e com direito a conhecer e a pronunciar-se sobre o que é proposto para o futuro.

Os dois meses previstos para a conclusão do Parque das Camélias, que terá de ser inaugurado antes das eleições, e a opção por relva artificial quando se fala de natureza, não podem deixar de causar perplexidade e preocupação pelo resultado final.

O vereador que o Bloco de Esquerda espera eleger em Outubro defenderá a revisão dos projectos para o Parque do Picoto, Parque da Ponte e Parque de Exposições de Braga, para que, a partir de um concurso de ideias aberto, se consiga uma abordagem integrada, e não intervenções casuísticas e desconexas, como tem sido timbre desta Câmara.

Estes episódios são bem reveladores dos malefícios das maiorias absolutas no poder local, que por norma subtraem aos cidadãos o direito à participação e à opinião. Também por isso é importante mudar a composição do executivo autárquico bracarense, com a eleição de João Delgado como vereador do Bloco de Esquerda.

A candidatura do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga
02 de Agosto de 2009

sexta-feira, julho 31

João Delgado em entrevista à Antena Minho

7/31/2009 11:40:00 da manhã by BE - Braga · 1 comentários
Etiquetas:
Ouça aqui a entrevista de João Delgado a António Fernandes, no programa Cumplicidades da rádio Antena Minho.

quinta-feira, julho 30

Cultura & Identidades

7/30/2009 03:30:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:

Um Congresso Mundial da Patafísica, “ciência das soluções imaginárias”, será defendido pelo Bloco de Esquerda, foi a resposta de Manuel Sarmento, coordenador do programa autárquico, à proposta apresentada por José Miguel Braga, e considerada pelo próprio uma utopia.

O encenador das Produções Ilimitadas Fora d’Horas respondia ao desafio de apresentação de uma medida prioritária para o próximo executivo na área da cultura, desafio esse lançado por Manuela Barreto Nunes, moderadora da conversa sobre Cultura & Identidades promovida pelo Bloco de Esquerda na Livraria 100ª Página. José Miguel Braga apresentou uma segunda medida mais exequível, a de que a autarquia apoie a formação de professores e outros animadores responsáveis pelo teatro escolar, até porque em breve existirão na cidade uma série de escolas remodeladas com salas de teatro.

José Carlos Santos, programador do Bragajazz considerou que não existe uma linha orientadora da política cultural e manifestou-se contra as actividades de “montra”, que não têm retorno na criação de uma “cena” cultural com mais jovens criadores. Chamar todos aqueles que participam na animação cultural, ouvi-los e encontrar sinergias para que se possa desenvolver uma cultura que seja fecunda, foi o caminho apontado pelo também candidato à autarquia na lista do BE.

Para Luís Tarroso, do Estaleiro Cultural Velha-a-Branca, é importante que existam regras muito claras para o apoio às associações, que substitua a actual atribuição de apoios casuísticos e enredados em teias burocráticas, que são incompatíveis para entidades que vivem do voluntariado dos seus membros. A Velha-a-Branca foi referida por outros participantes na conversa como o verdadeiro pelouro da cultura de Braga, apesar de desenvolver as suas actividades sem qualquer apoio da autarquia.

Ângela Ferreira, da direcção dos Encontros da Imagem, defendeu a premência do estímulo à criação e formação de públicos, porque não basta “atirar foguetes”, é necessário “escutar” as associações e responsáveis, para que exista uma política cultural consistente e com resultados duradouros.

Henrique Barreto Nunes, director da Biblioteca Pública de Braga, disse que defendia pela enésima vez uma política de divulgação do livro, mas também da imagem e do som, “ao pé da porta” através de uma rede concelhia de bibliotecas. Barreto Nunes elogiou a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva mas considerou o seu papel insuficiente, porque é indispensável que a cultura e o livro vão ter com as pessoas que vivem na periferia da cidade e nas zonas rurais.

Manuel Sarmento lamentou que na Câmara Municipal exista falta de cultura, o que leva à inexistência de uma política cultural, e recordou a demolição da Casa da Cultura para a construção de mais uma urbanização. Para o também mandatário da candidatura é essencial pensar a cultura em Braga de com uma perspectiva cosmopolita e multicultural, defendendo o Mercado do Carandá como o lugar ideal para o encontro das diferentes culturas hoje presentes no concelho, transportadas pelos imigrantes oriundos de todos os continentes.

António Lima, primeiro candidato à Assembleia Municipal, criticou a atitude ditatorial da autarquia, a quem a cultura e a arte assustam, porque é um poder que não gosta de ser questionado e por isso se recusa a ouvir os criadores e promotores culturais.

A finalizar o debate João Delgado, cabeça de lista à Câmara Municipal, disse que uma das primeiras medidas que tomará como vereador será o de convidar o próximo presidente da Câmara e a restante vereação a irem tomar um café à 100ª Página, beber uma cerveja à Velha-a-Branca, seguindo o percurso proposto pelos 5-em-Linha, porque é importante que o poder saia dos edifícios camarários e fale descomplexadamente com os agentes culturais.
Recorde-se que 5-em-linha foi a designação encontrada pela Velha-a-Branca, Museu Nogueira da Silva, Livraria 100ª Página, Museu da Imagem e Espaço Cultural Remy, para as inaugurações simultâneas que formam um roteiro artístico do centro histórico bracarense, todos os primeiros sábados de cada mês pelas 17 horas.

Fotos da iniciativa aqui.

segunda-feira, julho 27

Cultura & Identidades, mote para conversa em Braga

7/27/2009 11:33:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Convite

Cultura & Identidades é o mote para uma conversa que decorrerá na próxima quarta-feira, 29 de Julho, a partir das 18h00, na Livraria 100ª Página, em Braga. Para esta iniciativa a candidatura autárquica do Bloco de Esquerda convidou alguns dos protagonistas da promoção cultural e intervenção cívica bracarense, com o propósito de ouvir sensibilidades e opiniões diversas, que têm em comum experiência e reconhecimento público.

Ângela Ferreira (Encontros da Imagem), Fernando Coelho (Sindicato da Poesia), Henrique Barreto Nunes (ASPA), José Carlos Santos (BragaJazz), José Miguel Braga (Produções Ilimitadas Fora d'Horas) e Luís Tarroso (Velha-a-Branca) tomarão a palavra na conversa moderada por Manuela Barreto Nunes, que se pretende seja mais um contributo para o programa autárquico do Bloco de Esquerda, em desenvolvimento e coordenado por Manuel Sarmento, também mandatário da candidatura. A entrada é livre.

domingo, julho 26

Intervenção de Manuel Sarmento na apresentação da candidatura

7/26/2009 12:50:00 da tarde by BE - Braga · 3 comentários
Etiquetas: ,
“Que farei quando tudo arde?
(…) Não espera razões, tudo é despeito.
Tudo soberba e força, faz, desfaz,
Sem respeito nenhum…”

(Francisco Sá de Miranda)


Que fazer numa cidade onde parece que a soberba e a força dos interesses privados tudo parece fazer e desfazer, sem respeito nenhum?
Que fazer, quando tudo afinal parece arder e não há escadas magirus que lá cheguem…?
Que fazer quando, como que por acaso, a degradação toma conta de parte do património imobiliário edificado e as derrocadas ocorrem à média de uma por mês?
Que fazer quando a ruína cívica corrói os alicerces da convivência democrática e esta parece soçobrar sob os interesses instalados?
Que fazer, quando tão pouco existe o pudor de evitar propor para a gestão de bens que são de todos indivíduos condenados em tribunal pelo crime de corrupção?
Que fazer quando tudo arde?

Ao colocar a candidatura do Bloco de Esquerda sob a inspiração desse poeta maior que aqui viveu os seus últimos dias, Francisco Sá de Miranda, faço-o não apenas por razões de homenagem, no poeta, a todos os que marcaram indelevelmente a nossa identidade local, mas porque esta candidatura parte do desafio irrecusável de responder à pergunta “que fazer?” de uma forma decisiva e poderosa.

Que fazer (então) quando tudo arde?
Fazer cidade.
Atribuir aos cidadãos esse papel que é o seu, insubstituível, irrecusável: promover a cidadania activa, numa cidade onde prevaleça o interesse público, onde a corrupção seja erradicada, onde o sentido de pertença de todos não seja apropriado pelos interesses de poucos, onde, em definitivo, tenha sentido um projecto colectivo que nos afirme como bracarenses orgulhosos da terra que habitam e onde trabalham.

Leia a intervenção completa aqui.

quinta-feira, julho 23

Conversa - Culturas & Identidades

7/23/2009 10:36:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Para a próxima quarta-feira o Bloco sugere uma conversa sobre Culturas & Identidades. Será na livraria 100ª Página, a partir das 18h00, e terá como intervenientes protagonistas da cultura bracarense.
Em breve publicaremos detalhes, reservem na agenda.

Novo inquérito a Mesquita Machado?

7/23/2009 11:31:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Quem tem visto os noticiários televisivos e lido as notícias nos jornais estará certamente com grandes dúvidas sobre os próximos episódios do folhetim em que se transformou o inquérito a Mesquita Machado. João Delgado respondeu ao PÚBLICO sobre esta questão:
"Em Braga, o Bloco de Esquerda lamenta que "não se vá fazer justiça". "Por incúria das autoridades não vamos poder ficar a saber se Mesquita Machado enriqueceu ou não de forma ilícita", afirma João Delgado. O candidato do BE à câmara antecipa que o novo inquérito pode servir a uma "estratégia de vitimização" de Mesquita Machado que lhe pode trazer dividendos nas autárquicas."

Notícia completa do PÚBLICO

Procuradoria-Geral da República abre novo inquérito no caso de Mesquita Machado

23.07.2009, Samuel Silva

Falta saber se a investigação dirá apenas respeito ao facto de a carta anónima de 2002 não ter sido incorporada no inquérito ou se voltará
a visar a gestão municipal

A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai abrir um novo inquérito ao caso de alegado enriquecimento ilícito que envolve Mesquita Machado. Mas não é certo que haja uma nova investigação à governação socialista na Câmara de Braga. O processo arquivado no final de 2008 não pode ser reaberto e apenas com matéria nova haverá abertura de investigação.
Num documento enviado ao PÚBLICO, a PGR afirma que deverá proceder em breve "à instauração de um inquérito autónomo para apuramento dos factos". Mas não esclarece se vai investigar Mesquita Machado ou apenas a razão de uma carta anónima fotocopiada, em que constam várias denúncias de negócios ilícitos que envolveriam o autarca bracarense, não ter sido incorporada no inquérito.
Nos últimos dias foi várias vezes avançado que haveria uma nova instigação à gestão municipal de Braga. No entanto, legalmente, apenas se surgirem factos novos relativos à investigação será aberto um novo processo.
O presidente da câmara mantém silêncio sobre o caso, mas fonte próxima do autarca entende que a abertura de um inquérito autónomo não é dirigida contra Mesquita, destinando-se tão-só a "aferir as razões pelas quais não é feita referência à carta anónima" na investigação. A missiva, datada de 2002, faz referência a factos que constavam nas primeiras denúncias envolvendo o presidente de câmara e que, na interpretação de Mesquita Machado, "não foram tidos como relevantes". A carta estava apensa ao processo, mas os factos nela noticiados não foram objecto quer do respectivo relatório da investigação, quer do despacho final de encerramento, datado de 13 de Novembro do ano passado.
Na sequência da inspecção à investigação do caso, realizada pelo Orlando Romano, a PGR assume também a existência de "várias deficiências" e "insuficiências da investigação". No entanto, nenhuns dos factos apurados na inspecção são suficientes para sustentar a reabertura do processo. A decisão baseia-se no Código do Processo Penal. "Uma carta anónima não constitui elemento de prova idóneo para fundamentar a reabertura de um inquérito", esclarece a PGR.
Em Braga, o Bloco de Esquerda lamenta que "não se vá fazer justiça". "Por incúria das autoridades não vamos poder ficar a saber se Mesquita Machado enriqueceu ou não de forma ilícita", afirma João Delgado. O candidato do BE à câmara antecipa que o novo inquérito pode servir a uma "estratégia de vitimização" de Mesquita Machado que lhe pode trazer dividendos nas autárquicas.
O candidato da coligação PSD/CDS, Ricardo Rio, admite apenas um impacto "residual" do caso na campanha, mas também lamenta o arquivamento da investigação, "por razões técnico-jurídicas". Diz-se, contudo, "satisfeito", pelo facto de o caso voltar a ser investigado, como o PSD exigiu publicamente.

quarta-feira, julho 22

Apresentação da candidatura na imprensa local

7/22/2009 08:58:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: , , ,
Clique nas imagens para ampliar

Lista de candidatos à Câmara Municipal de Braga

7/22/2009 08:33:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
João Delgado Professor, deputado municipal
José Carlos Santos Professor / programador de jazz
Manuela Barreto Nunes Bibliotecária / docente universitária
António Silva Empregado de escritório / dirigente sindical
Maria João Botelho Médica
José Coimbra Professor, membro da Junta de S. Vicente. Independente
Daniel Martins Engenheiro informático
Custódia Rocha Docente universitária
Manuel Cardoso Professor, cronista desportivo
Maria do Céu Talaia Enfermeira. Independente
António Cruz Mendes Professor
Alfredo Ribeiro Professor, atleta veterano
Ana Margarida Dias Professora
Sérgio Marques Empresário
Luzia Pinheiro Socióloga

Lista de candidatos à Assembleia Municipal de Braga

7/22/2009 08:30:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
António Lima Advogado sindical
Paula Nogueira Técnica da Segurança Social
Henrique Barreto Nunes Bibliotecário, dirigente associativo. Independente
Custódio Braga Professor
Helena Órfão Professora, deputada municipal
Carlos Teles Advogado, deputado municipal
José Carlos Santos Professor
Sofia Carvalho Escultora
Rafael Ferreira Estudante politécnico
Victor Malheiro Empregado do comércio
Ana Lavrador Estudante universitária
Diniz Pinto Professor
Eduardo Velosa Estudante universitário
Adriana Santos Designer
Nuno Geraldes Estudante universitário

João Delgado na "Praça do Município"

7/22/2009 04:53:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
O candidato do BE debateu na "Praça do Município", programa da RUM, o final de mandato e as próximas eleições autárquicas.
Ouça aqui em podcast.

Braga: candidatos do Bloco pelo interesse público e contra a corrupção

7/22/2009 11:40:00 da manhã by BE - Braga · 2 comentários
www.bloco.org

Erradicar a corrupção e acabar com a subordinação do interesse público à especulação imobiliária é uma das ideias fortes da candidatura do Bloco em Braga. João Delgado encabeça a lista para a Câmara e António Lima é o primeiro da lista para a Assembleia Municipal. O independente Manuel Sarmento é o mandatário da candidatura.

A apresentação da candidatura do Bloco teve lugar na praça António Losa, precisamente um espaço desaproveitado e que os bloquistas querem ver recuperado e revitalizado para usufruto da população, indicando várias possibilidades: anfiteatro com concertos de verão, jardim de Inverno coberto, um espaço infantil ou para idosos, entre outras.

Combater a ganância

Manuel Sarmento, professor na Universidade do Minho, independente, além de mandatário da candidatura do Bloco é o coordenador do programa local do Bloco.
Citando o poeta Francisco Sá de Miranda, Sarmento sublinhou que o Bloco quer "combater a soberba da força dos interesses privados" e à pergunta do poeta "Que fazer quando tudo arde?" Sarmento responde: "fazer cidade, erradicar a corrupção e a subordinação do interesse público à especulação imobiliária".

Manuel Sarmento lembrou ainda que a "ganância é o factor hegemónico da política municipal em Braga", uma política "sem nenhuma réstia de socialismo" "É preciso acabar com ela" apelou o mandatário do Bloco, frisando que a primeira prioridade desta lista são as políticas sociais de combate à pobreza e à exclusão. "Esta é a lista dos que sabem que não é no plano dos ganhos individuais que se promove a causa pública" concluiu Sarmento.

Deixar Braga respirar

António Lima, cabeça de lista à Assembleia Municipal, sublinhou que o Bloco surpreendeu os poderes instalados com a sua intervenção activa na Assembleia Municipal, órgão que "estava habituado ao marasmo e à obediência acrítica ao Presidente da Câmara". Lima destacou a proposta do Bloco de Orçamento Participativo em que os cidadãos possam definir prioridades através da aplicação de uma verba cada vez maior. Contra "o peso abafador do betão e do alcatrão", António Lima afirmou ainda que o Bloco quer "derrubar o muro que há 33 anos não deixa Braga respirar".

Contra a corrupção e os interesses instalados

João Delgado, candidato do Bloco à Câmara, apontou algumas das medidas do programa local do Bloco: a reabilitação do centro histórico da cidade, a criação de uma rede municipal de creches, a expansão e coordenação do apoio domiciliário aos idosos, a reabilitação do parque habitacional ("assistimos à derrocada de um prédio por mês"), a prioridade ao transporte público, a intervenção integrada nos bairros sociais e a defesa intransigente dos serviços públicos ("A todos o que é de todos").

Delgado sublinhou que, com Mesquita Machado no poder, a Câmara Municipal de Braga "mais parece a Câmara de alguns Empreiteiros de Braga". E deixou claro que a candidatura da coligação de direita não constitui alternativa a Mesquita Machado: "na sua comissão de honra está o senhor que promoveu um jantar de desagravo a Domingos Névoa" e são os mesmos que "disseram sim ao novo Estádio, um projecto a que só o Bloco se opôs e que veio trazer nove milhões de euros de dívida por ano à autarquia".

João Delgado sublinhou ainda a força do Bloco de Esquerda em Braga. "A direita bombista queria uma estátua do Cónego de Melo, mas ela não passou. Não contem connosco para fechar os olhos" avisou o candidato do Bloco, lembrando também que bastou colar dois cartazes "Domingos Névoa fora da Bragal" para que este empresário, condenado por corrupção, tivesse desistido de integrar a direcção daquela empresa inter-municipal.

Finalmente, o candidato do Bloco lembrou Gonçalves da Silva, o camarada bracarense que faleceu há poucas semanas. "Seria o número dois da nossa lista para a Assembleia Municipal, mas não tivemos tempo de lhe dizer. Lembrar-nos-emos sempre da forma como olhava para nós, e sabemos que não nos vai deixar fazer nenhuma malfeitoria", concluiu Delgado.

A sessão de apresentação abriu com uma intervenção de Francisco Louçã, que felicitou João Delgado e todos os candidatos do Bloco em Braga. "Vamos ter um vereador de esquerda contra o negocismo de Mesquita Machado e que vai fazer frente a este pântano político e económico", afirmou Louçã.

sábado, julho 18

Bloco defende destituição do vereador da Protecção Civil

7/18/2009 06:41:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Depois das derrocadas de prédios e do incêndio da lenha da Agere, a impossibilidade dos Bombeiros municipais combaterem eficazmente um incêndio num 13º andar veio confirmar, se fosse necessário, a total falta de habilitações do vereador Carlos Malaínho para o pelouro da Protecção Civil.

Nos sucessivos episódios referidos Carlos Malaínho demonstrou sempre não estar tecnicamente informado e não ser capaz de gizar e implementar políticas preventivas. Também desta feita Malaínho vem dizer que o problema da auto-escada dos Bombeiros Sapadores vai ser resolvido já para a semana, escamoteando o facto de o equipamento ter uma dúzia de anos e de, portanto, ter existido tempo mais do que suficiente para planificar e executar as necessárias operações de manutenção e reparação.

João Delgado, candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga, considera que, “face ao que tem acontecido nos últimos anos com os descontrolados fogos de Verão no concelho, e verificando-se que o vereador não detém competências para coordenar a Protecção Civil municipal, é urgente que o presidente da Câmara assuma as responsabilidades da segurança dos bracarenses até ao final do mandato, sob pena de, não o fazendo, ser objectivamente conivente com a notória irresponsabilidade do seu vereador”.
Assim, o candidato do Bloco defende que Mesquita Machado deve de imediato retirar a Carlos Malaínho o pelouro da Protecção Civil, que passará para responsabilidade directa do presidente da Câmara.

sexta-feira, julho 17

Francisco Louçã na apresentação da candidatura autárquica de Braga

7/17/2009 11:20:00 da tarde by BE - Braga · 2 comentários
Etiquetas:
Francisco Louçã estará presente na apresentação da candidatura autárquica do concelho de Braga, na próxima terça-feira, 21, a partir das 18 horas, na Praça António Losa, à Sé.
Recorde-se que João Delgado é o candidato à Câmara, António Lima à Assembleia Municipal e Manuel Sarmento o mandatário.

quinta-feira, julho 16

JN - Mesquita Machado alvo de novo processo

7/16/2009 12:30:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
"O presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado, deverá ser alvo de uma nova investigação ordenada pela Procuradoria Geral da República (PGR). Esta será a solução para contornar a impossibilidade legal de reabrir um inquérito já arquivado.

O assunto tem sido estudado pelo procurador-geral da República, na sequência de uma averiguação ao inquérito que, em oito anos, esteve parado quatro anos e meio e acabou arquivado pelo Ministério Público (MP) de Braga. Uma proposta de Orlando Romano, inspector do MP nomeado pela PGR, vai no sentido da reabertura do processo, por existirem documentos que não foram apreciados no despacho final."

Notícia completa aqui.

terça-feira, julho 14

A hora das freguesias

7/14/2009 10:44:00 da tarde by BE - Braga · 1 comentários
Etiquetas:
É por estarmos na "hora das freguesias" que este blog não tem sido convenientemente alimentado.
Neste breve post justificativo fica o anúncio da apresentação da candidatura na próxima terça-feira, 21, às 18h00, na Praça António Losa, perto da Sé.
Até lá!

sábado, julho 11

Candidatura no Twitter, Facebook e MySpace

7/11/2009 05:40:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:




Esta candidatura já pode ser acompanhada no Twitter (http://twitter.com/joaodelgado), no Facebook (pesquise João Delgado e adicione como amigo) e no MySpace.

Para quem não faz ideia do que trata este post:

Da Wikipedia - Twitter é uma rede social e servidor para microblogging que permite aos usuários que enviem e leiam atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como "tweets"), através da própria Web ou por SMS.
As atualizações são exibidas no perfil do usuário em tempo real e também enviadas a outros usuários que tenham assinado para recebê-las. Usuários podem receber atualizações de um perfil através do site oficial, RSS, SMS ou programa especializado. O serviço é grátis na internet, mas usando SMS pode ocorrer cobrança da operadora telefônica.
Desde sua criação em 2006 por Jack Dorsey, o Twitter ganhou extensa notabilidade e popularidade por todo mundo. Algumas vezes é descrito como o "SMS da Internet".

Facebook é um website de relacionamento social lançado em 4 de fevereiro de 2004. Foi fundado por Mark Zuckerberg, um ex-estudante de Harvard. Inicialmente, a adesão ao Facebook era restrita apenas aos estudantes do Harvard College. Ela foi expandida ao Massachusetts Institute of Technology, à Boston University, ao Boston College e a todas as escolas Ivy League dentro de dois meses. Muitas universidades individuais foram adicionadas no ano seguinte. Eventualmente, pessoas com endereços de e-mail de universidades (por exemplo, .edu, .ac.uk) ao redor do mundo eram eleitas para ingressar na rede. Em 27 de fevereiro de 2006, o Facebook passou a aceitar também estudantes secundaristas e algumas empresas. Desde 11 de setembro de 2006, apenas usuários com 13 anos de idade ou mais podem ingressar[1]. Os usuários podem se juntar em uma ou mais redes, como um colégio, um local de trabalho ou uma região geográfica.

MySpace é um serviço de rede social que utiliza a Internet para comunicação online através de uma rede interativa de fotos, blogs e perfis de usuário. Foi criada em 2003. É a maior rede social do Estados Unidos e do mundo com mais de 110 milhões de usuários. Inclui um sistema interno de e-mail, fóruns e grupos. MySpace é um site muito ativo, com novos membros entrando no serviço diariamente e novos recursos adicionados com freqüência. A crescente popularidade do site e sua habilidade de hospedar MP3s fez com que muitas bandas e músicos se registrassem, algumas vezes fazendo de suas páginas de perfil seu site oficial.

quinta-feira, julho 9

Adiamento da discussão pública do PDM

7/09/2009 02:25:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Em resposta a um pedido de esclarecimento do líder municipal do Bloco de Esquerda, João Delgado, a autarquia bracarense reconhece "que não vai ser possível cumprir o prazo inicialmente previsto para o período de discussão pública [do Plano Director Municipal] no mês de Junho porque se partiu de uma previsão algo optimista" (ver anexo).

João Delgado considera que as justificações apresentadas confirmam a total desorientação instalada na gestão autárquica, onde o planeamento e o rigor estão ausentes por completo. O candidato do BE à Câmara Municipal de Braga manifesta também receio de que a discussão pública seja “empurrada” para o período de férias, impedindo assim que os bracarenses acompanhem de forma atenta eventuais alterações do PDM. Delgado exemplifica a pressão urbanística sobre as Sete Fontes como um dos factores que poderão justificar o protelar desta fase fundamental da revisão do PDM.

João Delgado condena igualmente o facto de a Câmara não ter tomado a iniciativa de clarificar publicamente as razões do adiamento do período de discussão pública, motivo pelo qual o Bloco de Esquerda tomou agora a iniciativa de divulgação aos bracarenses da resposta da autarquia ao pedido de esclarecimento efectuado em 20 de Maio passado, que originou uma informação da Divisão de Planeamento Urbano em 29 de Maio, mas que só foi ratificada pelo executivo em 17 de Junho.

O Gabinete de Imprensa da candidatura do Bloco de Esquerda
Braga, 09 de Julho de 2009

quarta-feira, julho 8

O melhor de Braga - V

7/08/2009 07:15:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
O programa Sójazz comemora 20 anos e o José Carlos Santos convida os amantes da grande música negra para a festa.


Vídeo - Mário Delgado e os TGB

"A festa do jazz , através da celebração dos 20 anos do programa Sójazz na RUM, está mesmo em grande. Sexta - feira, dia 10 de Julho, pelas 18h30, no espaço cultural Pedro Remy, José Duarte, uma das referências fundamentais do jazz em Portugal, apresenta o seu último opus, a saber, a primeira história do jazz feita em Portugal , editada para a Sextante editores. Esta sessão conta ainda com o apoio imprescindível da livraria centésima página..
Não faltem ao encontro com um dos mestres do jazz, na apresentação do livro "A história do jazz" por José Duarte.
Às 22h sobe ao palco os "Supertrouper" ,dos afamados guitarristas Mário Delgado e André Fernandes. Depois do concerto , a festa continua no bar "Beco com Saída", com a companhia dos DJ`s da Rádio Universitária."

Jornalismo com causas.

7/08/2009 10:00:00 da manhã by BE - Braga · 1 comentários
Etiquetas: ,

terça-feira, julho 7

Um mandato falhado, uma câmara endividada.

7/07/2009 04:52:00 da tarde by BE - Braga · 3 comentários
Etiquetas: , ,
O anúncio da recandidatura de Mesquita Machado à presidência da Câmara Municipal de Braga coloca um ponto final num segredo de polichinelo.

Com efeito, não é sequer necessário que se esteja particularmente atento à actividade camarária nos últimos tempos para que se tenha deparado com uma inauguração, um anúncio de uma nova obra para o futuro, uma visita a uma freguesia, um encontro com crianças, enfim com mais uma iniciativa de pré-campanha do actual presidente da autarquia.

Curiosamente, o anúncio da recandidatura foi precedido da confirmação de que este foi um mandato falhado, com Mesquita Machado a fazer um outro anúncio, o das obras que serão feitas no próximo mandato.

Dos últimos quatro anos há a reter principalmente os casos que envolveram o presidente do executivo camarário, dos terrenos do Colégio de S. Caetano ao precipitado arquivamento do inquérito do Ministério Público, do concurso para a sinalética urbana, ganho pelo seu filho, à frustrada nomeação de Domingos Névoa para a Braval, para apenas citar alguns exemplos de uma gestão que foi mais comentada pelos aspectos negativos do que pela obra efectivamente executada.

De quatro anos de mandato resta, assim, o prolongamento de um túnel, obra prescindível no actual contexto de crise e de endividamento camarário, e obra que servirá principalmente o novo espaço comercial do edifício dos Correios e não os bracarenses, cujas prioridades são certamente outras.

No mandato que agora finda os bracarenses começaram a pagar a factura da leviandade que foi o investimento sem retorno no novo estádio, uma factura de oito milhões de euros anuais que implicou a quase paralisia dos investimentos, o que por sua vez levou à celebração da parceria público-privada, que é outro negócio ruinoso e condicionante das finanças autárquicas nas próximas décadas.

É tempo de pôr cobro às maiorias absolutas em Braga, e é com esse objectivo que o Bloco de Esquerda apresenta aos cidadãos e à cidadãs uma candidatura, sustentada num programa de acção para a cidade e para o concelho, com a convicção de que pela primeira vez um vereador da nova esquerda será eleito para a autarquia bracarense.

João Delgado - Candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga

domingo, julho 5

A hora das freguesias

7/05/2009 07:56:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Aumentar o número de freguesias a que o Bloco concorre é essencial para o sucesso das nossas candidaturas autárquicas.

A sede de Braga estará aberta nas próximas semana em horário alargado e aguardamos a visita dos aderentes e simpatizantes para a participação neste processo.

Até breve!

segunda-feira, junho 29

Até sempre, Gonçalves da Silva.

6/29/2009 02:00:00 da tarde by BE - Braga · 1 comentários
Faleceu José Gonçalves da Silva, membro da Assembleia de Freguesia de S. Lázaro, deputado municipal e dirigente concelhio em Braga do Bloco de Esquerda.
Gonçalves da Silva foi um lutador solidário, dirigente do Sindicado Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações e um dos rostos da UDP em Braga. Participou na fundação do Bloco de Esquerda, e nos últimos dez anos integrou as direcções políticas do partido no concelho e no distrito, tendo sido candidato à Assembleia da República.

O Bloco de Esquerda manifesta a todos que com ele conviveram, no sindicalismo e na acção política, e particularmente à sua família, o mais profundo pesar, com a certeza de que o seu exemplo de cidadão que nunca se resignou com a injustiça social perdurará na nossa memória. A este pesar associa-se Francisco Louçã, coordenador do Bloco de Esquerda, a título pessoal e em nome da direcção do partido.

sexta-feira, junho 26

O melhor de Braga - IV

6/26/2009 02:24:00 da tarde by BE - Braga · 2 comentários
Etiquetas: ,
Tem hoje início a 10ª edição do Mimarte, festival de teatro de rua que se impôs como uma das mais participadas e populares iniciativas culturais da cidade. “Presos Por Uma Corrente de Ar” é a comédia que o Teatro Regional da Serra de Montemuro (Viseu) apresenta às 21h45 no palco do Rossio da Sé.
"Uma dezena de trabalhos dramáticos – do popular ao erudito, do clássico ao contemporâneo, comédia ou tragédia –, protagonizados por colectivos provenientes de todo o país e de Espanha, constituem o cartaz da décima edição do “Mimarte - Festival de Teatro de Braga”, que, de 26 de Junho a 5 de Julho, regressa aos palcos do rossio da Sé, Theatro Circo e Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa."

Veja a programação completa aqui.

quinta-feira, junho 25

Ecos da Assembleia Municipal

6/25/2009 09:56:00 da manhã by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas: ,
Clique nas imagens para ampliar.

Quem retirou a cidade às pessoas?

6/25/2009 09:45:00 da manhã by BE - Braga · 2 comentários
João Delgado (publicado na revista SIM)

Anuncia a Câmara de Braga, em infomail profusamente distribuído, a “devolução da cidade às pessoas” Este slogan representa um acto falhado, num reconhecimento implícito de que a cidade foi retirada às pessoas e entregue aos grandes interesses económicos, particularmente ao sector da construção civil e às grandes superfícies.

Por outro lado, ao longo de três décadas o município permitiu e incentivou a construção excessiva, sem planeamento e de baixa qualidade, que originou grande rotação de habitação, sendo comum uma família passar em poucos anos por duas ou mais residências, procurando melhorar a sua qualidade de vida. Estes movimentos populacionais são um forte contributo para uma cidade sem bairros com vida própria, densos aglomerados de prédios onde equipamentos e serviços de proximidade são raros, sendo certo que contribuiriam para fixar os cidadãos e para a existência de uma saudável vida em comunidade.

Devolver a cidade às pessoas não passa, assim, por novas construções, mas antes por olhar para o edificado e encarar a sua requalificação ou, em muitos casos, simplesmente a qualificação, porque falamos de núcleos urbanos que nunca tiveram um mínimo de qualidade.

Daí que o investimento no prolongamento do túnel seja uma obra desajustada, não por desnecessária, mas por claramente não ser prioritária e consumir recursos, que poderiam e deveriam ser aplicados noutras áreas da renovação urbana.

O modo como este projecto foi conduzido representa também o pior desta Câmara, avessa à promoção de concursos de ideias e à discussão pública, atitude perversa que tem conduzido regularmente a intervenções impensadas e cujo resultado final pouco contribui para melhorar a qualidade de vida.

Pretender que duas fileiras de canteiros floridos, ladeados por bancos de pedra expostos à inclemência do sol, são uma óptima solução, é ter vistas curtas e não querer entender que se ficou muito aquém do que seria possível, se tivessem sido cuidadosamente ponderados os resultados a obter.

E, assumindo a decisão de fazer esta obra, o mínimo que se poderia pedir é que ela tivesse qualidade. E não tem.

quarta-feira, junho 17

Braga Digital ou propaganda virtual?

6/17/2009 05:47:00 da tarde by BE - Braga · 1 comentários
Etiquetas: ,
Nota da candidatura à Câmara Municipal de Braga

As declarações do gestor da Braga Digital, Paulo Sousa, na sessão de apresentação do projecto, representam na prática a devolução da “bofetada de luva branca” com que a secção bracarense do PS pretendeu brindar quem criticou os sucessivos atrasos e adiamentos da iniciativa.

Pelos relatos da imprensa, não restam dúvidas de que o essencial das críticas do Bloco de Esquerda foi ontem confirmado pelo principal protagonista da apresentação, que falou em “escassez de meios humanos e materiais” e na dificuldade de “levar o projecto a bom porto”. Também Mesquita Machado não deixou de reconhecer as “convulsões na fase de arranque”, sendo que a dita “fase de arranque” se prolongou por quase meia década.

De resto, a ausência de representação do governo e dos responsáveis máximos da Universidade de Minho e da Associação Industrial do Minho mostra bem como a encenação preparada para ontem foi apenas mais uma peça de propaganda pré-eleitoral falhada, porque o essencial do Braga Digital está por fazer, porque o essencial não são equipamentos nem discursos, mas sim passos decididos na generalização e democratização do acesso da população à sociedade da informação e do conhecimento, e em benefícios concretos para o quotidiano dos bracarenses e de quem nos visita.

Espera-se também que com a efectiva implementação do Braga Digital a administração autárquica passe a ser mais transparente, com a publicação on-line de todas as deliberações da Câmara e Assembleia Municipal, bem como o acesso dos cidadãos aos projectos em curso.

E desde já, em jeito de comemoração do anunciado novo ímpeto do Braga Digital, fica o desafio à Câmara de que coloque de imediato on-line os projectos relativos às Sete Fontes, para que possam ser debatidos pelos bracarenses. Assim se demonstrará que as bonitas palavras correspondem a alguma mudança na política de opacidade que tem sido promovida em Braga.

terça-feira, junho 16

João Delgado no programa Praça do Município, da RUM

6/16/2009 05:53:00 da tarde by BE - Braga · 0 comentários
Etiquetas:
Clique para ouvir.

domingo, junho 14

Hospital de S. Marcos na imprensa

6/14/2009 12:36:00 da tarde by BE - Braga · 2 comentários
Etiquetas: ,

quinta-feira, junho 11

Em defesa das trabalhadoras e trabalhadores do Hospital de S. Marcos

6/11/2009 12:42:00 da tarde by BE - Braga · 3 comentários
Etiquetas: , ,
Nota da candidatura do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga

Face à notícia de que mais de cento e cinquenta postos de trabalho estão em risco no Hospital de S. Marcos (HSM), o deputado do Bloco de Esquerda João Semedo, responsável pela área da Saúde no Grupo Parlamentar, foi alertado para o facto pela candidatura do BE à Câmara de Braga e vai apresentar um pedido de esclarecimento dirigido ao governo, com carácter de urgência, que será entregue de imediato na Assembleia da República.

O Bloco de Esquerda denuncia também a chantagem implícita da administração do HSM ao Tribunal de Contas (TC), dando a entender que os postos de trabalho podem estar dependentes de um parecer positivo do Tribunal a este negócio com o grupo Mello. Recorde-se que, recentemente, o TC publicou um relatório afirmando que “no essencial, pode concluir-se que nenhum dos objectivos de contratação inicialmente definidos foi, até agora, atingido, o que conduz, neste domínio das PPP [parcerias público-privadas] Saúde, a que se possa concluir por ineficácia, por parte do Estado”. Recorde-se que o Tribunal de Contas também não aprovou o modelo de gestão do novo Hospital, matéria que igualmente mereceu um pedido de explicações ao Ministério da Saúde por parte do Bloco de Esquerda, pedido esse que aguarda resposta.

O Bloco de Esquerda de Braga foi durante o dia de ontem contactado por diversos trabalhadores e trabalhadoras do Hospital de S. Marcos, que suspeitam fazer parte da lista dos 151 pré-despedidos e se mostram angustiados por saberem do facto pela comunicação social, sendo que a anunciada lista disponibilizada na Internet desapareceu, tal como todo o site do HSM.

Este é também o tempo preciso para questionar Mesquita Machado e Ricardo Rio, que têm exactamente a mesma posição de defesa das parcerias público-privadas, e que estiveram de acordo em entregar o novo Hospital ao grupo Mello. É este o tempo de os trabalhadores perguntarem ao PS e PSD de Braga que medidas vão tomar para impedir os despedimentos anunciados, garantindo que todas e todos quantos desempenham tarefas efectivas no S. Marcos são integrados nos quadros do novo Hospital.
E, por estas razões, a candidatura do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Braga desafia a autarquia, bem como todos os outros candidatos, a assumirem publicamente a defesa dos postos de trabalho e a exigirem do governo que, sem tibiezas, tome as medidas necessárias para que nem um só despedimento se verifique no S. Marcos. Não é admissível que, num momento de grave crise, seja o próprio Estado a contribuir para o agravamento social da crise.

Pesquisar neste blogue

A carregar...

Arquivo